• Silvio Ambrosini

Diagnósticos com Teste de Vácuo Sonnax

Atualizado: 27 de Set de 2019


Imagino que os problemas mais difíceis de serem resolvidos são aqueles que não dá para enxergar. As vezes, a causa do problema está oculta, escondida lá atrás. Seria bem mais fácil se fosse uma embreagem gasta ou uma peça quebrada.

Com frequência, quando você não consegue descobrir o que causou a queima de uma embreagem, a solução pode ser substituir algumas peças relacionadas, para se certificar de que você encontrou o defeito. Você pode até resolvê-lo, mas com um custo alto pela substituição, as vezes desnecessária de peças.

Não seria ótimo se existisse uma maneira de isolar os problemas que não pode ser visualizados? Algo que deixasse você ver o que se passa do outro lado daquela superfície? Bem, existem sim maneiras de se fazer isso.

Ao logo de muitos meses, fizemos vários testes com a máquina de teste de vácuo, examinando corpos de válvula. Achamos que você pode usar essa tecnologia para fazer uma ampla gama de testes em outros componentes da transmissão também.

Vamos ver como se usa a máquina de teste de vácuo para avaliar circuitos de aplicação de embreagem com resultados bastante consistentes.

Esferas "Checkball" e sangradores


A maior parte das transmissões é projetada para permitir o vazamento de ar pelos circuitos de aplicação de embreagem. Isso é bem importante porque diferentemente do fluido, o ar pode ser comprimido. E acontece que o ar aprisionado em um circuito de embreagem irá causar mudanças de marcha iconsistentes. esfera Checkball e sangrador (Honda)

A maior parte dos fabricantes utiliza esferas Checkball nos pistões de embreagem para permitir o vazamento de ar para o circuito. Outros, como a Honda, usam sangradores.

Estas esferas e sangradores funcionam bem para deixar o ar sair, mas se elas vazam, você pode terminar perdendo pressão de aplicação nas embreagens, o que leva a mudanças erráticas e eventualmente queima das mesmas.

Muito frequentemente, você consegue reassentar o vazamento de uma esfera de checagem com uma pancadinha. Mas como você consegue descobrir se corrigiu o


vazamento ou não? Fácil, com a máquina de teste de vácuo:

Faça a calibração da máquina de modo que 25pol/Hg iguale a um circuito fechado e 5pol/Hg iguale a um vazamento de 0,035pol.

Você vai querer testar o encosto da esfera: Então rode o pistão de modo que o peso da esfera acomode-se em si mesmo. No caso dos sangradores, talvez você tenha de dar uma primeira pressão no sangrador para garantir a vedação; e uma vez vedado, ele deve permancer assim sem que precise mantê-lo pressionado.

Veja na imagem abaixo, os Pontos para o teste de vácuo

Em seguida, aplique o vácuo na esfera checkball ou no sangrador: o ponteiro deve indicar que está vedado, com uma leitura de 25pol/Hg. Se o vácuo estiver abaixo disso, a esfera ou o sangrador está vazando.

Para corrigir o vazamento da esfera Checkball, limpe-a com solvente e dê uma batidinha para assentar. Uma ou duas batidinhas costuma ser suficiente para corrigir o vazamento nesse caso.

Se você está diante de um sangrador Honda vazando, você pode tentar limpá-lo com um pouco de ar e refazer o teste; se continua vazando, será necessário substituir o pistão.

Só porque a junta é nova, não quer dizer que é impossível ter vazamento


Naturalmente, é preciso sempre confirmar seu reparo depois de limpar ou reassentar a esfera ou o sangrador. Estes devem conseguir segurar 25pol/Hg, e se isso aconteceu, você pode dizer que resolveu um problema invisível usando a máquina de testes de vácuo.

Outro local onde a máquina funciona muito bem é nas esferas Checkball da 700R4 e na 4L60E. Você pode testar pelo lado de dentro da carcaça, usando uma borracha macia com um furo.


Se a esfera segura os 25pol/Hg de vácuo, está devidamente selada e você não precisa mais se preocupar com ela. Se o vácuo está abaixo desse valor, a cápsula está vazando; umas batidinhas com o ponteiro devem resolver. Se ainda vaza, substitua.

Localização do orifício de teste.

Neste caso, havia um enorme vazamento nesse circuito; o vácuo baixou para cerca de 16pol/Hg e deveria ficar em 25pol/Hg.

Suporte central da 4R100

Suponha que você constata uma falha na embreagem para frente ou na direta de uma transmissão 4R100. A linha de pressão e a linha de subida funcionam bem. A transmissão está de volta na garantia pelo mesmo problema mais uma vez e você desmonta tentando descobrir o defeito sem encontrar o motivo.

Pode ser que você tenha deixado passar o suporte central e a junta, afina só porque a junta é nova, não quer dizer que não possa vazar.

Procurar vazamentos no suporte central é simples e não deve levar mais que dois minutos. Tampe o furo da embreagem para frente com o dedo e faça o vácuo no suporte.


​O teste na embreagem direta é parecido: tampe o furo do suporte e teste no suporte de aço entre os aneis. Nesse caso também havia um pequeno vazamento no circuito da embreagem direta.

O suporte tinha uma junta nova, mas pequenas partículas de sujeira ficaram entre o suporte e a junta. O teste de vácuo revelou o vazamento, e a limpeza só tomou alguns minutos.

As buchas do eixo Honda sempre se desgastam, mas poucas pessoas o testam ou substituem. Há anos que a verificação tradicional era colocar um pedaço de fita no tubo e desliza-lo no eixo. Funciona, mas não dá para confiar muito: Qual o tamanho exato da fita? Qual a espessura? São muitas variáveis.


​​Meu amigo Art, da TRNW me mostrou esse teste há algum tempo e funcionou muito bem. Esse eixo tem duas buchas, então vamos testar ambas. O desgaste na bucha pequena trará problemas para a transmissão.

Pegue um eixo Honda e vede os furos de alimentação da embreagem com fita isolante.

Buchas do eixo Honda

Instale o eixo sobre os tubos e faça o teste de vácuo a partir da tampa de cobertura.

Quanto maior for a leitura de vácuo, melhor será a vedação entre o eixo e o tubo. A fazer este teste e substituir as buchas quando necessário, aumenta drasticamente a durabilidade dessa unidade.


O trabalho em qualquer oficina de transmissão é deixar o cliente contente. O serviço de atendimento é a chave, mas ele tem um limite; a parte realmente mais importante é fazer um serviço de qualidade.

Como você pode ver, uma máquina de teste de vácuo faz mais que testar corpos de válvulas. É uma forma muito boa de isolar problemas ocultos de forma rápida e eficiente e uma vez que ​


​você os tenha identificado, consertar é fácil.

Continue testando sempre, use sua cabeça, sua criatividade e nunca assuma que o que você sabe não precisa ser aperfeiçoado. Sempre existe uma novidade, uma técnica, uma forma mais inteligente e eficiente de melhorar a qualidade de seus serviços através do uso inteligente de ferramentas como esta e outras.

..............................

A máquina de teste de vácuo VACTEST da Sonnax está a venda aqui na solupeças, basta clicar aqui para visitar a página de compra.

Aproveite para ver o arrasador vídeo dando informações sobre o Vactest https://youtu.be/OWN9_OPSeGQ

.

.....................................................................................................................

Excelentes artigos para leitura

Oficina e dicas

Lidando com Retornos em Garantia

Os perigos do uso de componentes de vedação alternativos

Como lidar com clientes insatisfeitos

5 hábitos que acabam com seu câmbio DSG

3 formas de valorizar a reforma de transmissão para o clientes de sua loja

Quanto dura uma transmissão reformada

5 erros mais comuns que podem arruinar sua transmissão automática

Problemas com a temperatura de trabalho da transmissão automática

Qual é o tipo de óleo de câmbio automático que eu preciso?

A troca de fluido com máquina de flushing

Diagnósticos com Teste de Vácuo Sonnax

Artigos com dicas no site da Automatik

Sonhos e realidades do reparo de Corpo de Válvulas

Um guia para as luzes espia de seu carro

Precisou voltar para a oficina? calma…

Sonhos e realidades do reparo de Corpo de Válvulas

O que esperar do reparo do seu câmbio Automático

5 sintomas de óleo baixo no câmbio automático

Por que trocar o óleo do câmbio custa caro?

Câmbio DSG, nasceu para desaparecer?

Seja feliz com seu câmbio automatizado

Automáticos, automatizados e CVT, qual a diferença?

Audi e VW

Audi Q5 e a caixa DSG 7 marchas DL501

Golf e Audi A3 1.4 e 18 Turbo e os problemas do câmbio DSG DQ200

Audi CVT Multitronic 0AW, análise de defeitos e soluções

A Transmissão DSG 02E (DQ250) Volkswagen e Audi também pode apresentar problemas.

Câmbio 09G Jetta, Passat, Bora, Golf e a solução de seus defeitos

Linha Francesa

Novas visões do AL4 - Soluções para Franceses

Sobre o câmbio automático AL4 da linha Francesa Citroen, Renault e Peugeot

Ford, GM, Fiat

Ford Focus, Fusion e Ecosport patinando e com trancos nas trocas

AW 5040LE patina, desengata, faz barulho, mas dá para consertar

Captiva V6 com trancos e problemas na ré – 6T70

Ford Fusion e Edge 4×4 sofrem com a caixa de transferência que se comporta mal

Fusion automático 6 marchas com câmbio 6F35

Asiáticos

Soluções para Transmissão CVT do Mitsubishi ASX

Nissan Sentra, Renault Fluence e Mitsubishi Outlander CVT XTronic -

Câmbio Automático SLXA Honda Civic de 2001 a 2005 e seus problemas

#informação #técnicas #dispositivos

153 visualizações

Loja e ecommerce especialista em Peças, HardParts, Ferramentas Fluidos e Óleos para Câmbio Automático.

Rua Antônio André Rodrigues, 101 Chácara Mafalda - São Paulo - SP - sac@solupecas.com.br - 11 2193-3868 - Design by Sivuca

  • Instagram - Solupeças
  • Facebook - Solupeças
  • Twitter - Solupeças

©Copyright 2018 Solupeças. Todos os direitos reservados